As cores do DISC

O que é o DISC?

DISC é uma teoria que descreve os estilos de comportamento que cada um de nós tem. É um modelo de análise comportamental que consegue medir, identificar e indicar como reagimos, nos comunicamos e respondemos ao stress em diferentes situações. É um acrônimo que junta letras dos 4 estilos principais que existem. Dominante, Influente, eStabilidade e Conformidade. Proposto por William Moulton Marston em 1928, é hoje um dos testes mais completos e precisos, e uma ferramenta poderosa na construção de equipes, desenvolvimento de lideranças e assertividade no recrutamento e na seleção de novos candidatos.

Essa é a visão objetiva do DISC.

Mas o que o DISC é para mim?

Imagine olhar para um quadro. Nesse quadro você consegue ver a imagem pincelada de montanhas, do céu, do sol, das árvores, sem muitos detalhes. Mas você consegue ver a luz, a cor da tinta, a força ou fraqueza das pinceladas. Você consegue ver se o céu é calmo ou tempestuoso, se as montanhas são íngremes ou suaves, se o sol parece escaldante ou fresco, se a árvores são ordenadas ou um matagal. Você consegue ver pinceladas precisas, ou traços livres. Cores reais e por vezes opostas ao de uma imagem realista. Sim, você não tem detalhes nem uma nitidez fotográfica, DISC não é uma fotografia, DISC é um pequeno quadro que mostra como são as pinceladas que você dá na tela da vida.

E quando o modelo foi proposto em 1928 por William Moulton Marston, ele talvez não imaginasse que, quando fosse mais explorado e desenvolvido, iria identificar esses padrões repetidos de pincelada, formas e cores. E esse padrões essencialmente derivam dos 4 perfis básicos, como se fossem as 4 cores primárias. E essa cores são, o vermelho (Dominante), o amarelo (Influente), o azul (eStabilidade) e o verde (Conformidade).

 O vermelho dominante

A vida não pode parar, o sangue é vermelho, pulsa e corre nas nossas veias. A vida é uma batalha, é honra, é vitória. O Vermelho é vibrante, pungente, vivo. O Vermelho tremula como uma bandeira indicando o caminho pra o sucesso, realizando as estratégias que nos levam para frente, conquistando, construindo. O Dominante fala com força, com o punho cerrado, torcendo o destino e criando seu próprio futuro. São as pinceladas vigorosas, e por vezes grossas e violentas, que criam a base da pintura, e dão a ela a força de existir. O problema é quando essas pinceladas são tão fortes que rasgam a tela, ou encobrem todas as outras cores. Nem preciso dizer que a vida não é somente um borrão vermelho de luta e guerra, que de longe até parece uma montanha a ser escalada. Temos outras cores para usar e apreciar, mesmo sendo o vermelho, para alguns, a melhor cor de todas.

 O amarelo influente

Nada melhor do que um dia ensolarado para nos dar energia e alegria. O Sol nos aquece, nos ilumina, mostra todos os detalhes e maravilhas da vida. A vida é essa vibração, essa energia, é estarmos juntos, vivendo juntos, construindo juntos. A luz é a energia que nos permite ver além, imaginar e sonhar o futuro. É a energia que nos alimenta para seguirmos adiante, para realizarmos aquilo que desejamos. Nos permite amar, criar, comer, viver. A vida é uma alegria, e as pinceladas amarelas dão luz e vibração a nossa pintura. São pinceladas velozes, espontâneas, que vão dar vida e direção a pintura. Que vão nos mostrar as maravilhas que estavam escondidas nas sombras. Só precisamos ter cuidado para não ficarmos cegos com tanta luz, queimados com tanto calor, as asas derretidas tentando a todo custo encostar no sol. A nossa pintura as vezes precisa de um contraste de luz e sombras para que possamos olhar a imagem com mais profundidade e perspectiva, ou só o que vamos ver é um grande borrão amarelo parecendo um sol amarelo escaldante.

O azul da estabilidade

O Mar e o céu juntos seriam uma única imagem em dégradé azul, se não fossem entrecortados por uma linha do horizonte levemente branca. São como portais para um mundo ainda mais profundo. O céu, guardando a entrada da escuridão do espaço, e a ondas do mar, guardando a entrada da profundezas marinhas do oceano. E nessa imensidão azul, sentimos a conexão com o mundo todo, envolvendo todas as pessoas nessa atmosfera de harmonia e placidez. Somos as pinceladas calmas, previsíveis e constantes, como o ritmo das ondas do mar, como o vento que empurras as velas dos navios de um lado a outro pelos oceanos da vida. O azul límpido e fresco ajuda a limpar o vermelho das batalhas, esfria o calor do amarelo intenso, mas não pode congelar a vida, nem paralisar o movimento. O Azul vive o seu melhor momento quando aceita ser a cor de fundo, que permite que todas as outras se destaquem e brilhem, pois assim consegue criar o que mais deseja, uma pintura de harmonia e beleza.

O verde da conformidade

A pintura está quase pronta. Vemos um céu azul plácido e límpido ao fundo, com montanhas vermelhas vigorosas surgindo de pinceladas firmes, iluminadas por um nascer do sol brilhante e vívido de feixes amarelos. E eis que surge as linhas retas de uma floresta pontilhada e cheia de vida, todos os tipos de verdes, formando campos floridos com pétalas precisas e detalhadas. Qual o objetivo dessa pintura? O que podemos melhorar, questionar, evoluir em nosso estilo e em nossas pinceladas? Qual o significado de tudo isso? O verde é esse perfeccionismo criador, é a folha, o musgo, a árvore, a lagarta, são tantas coisas, tão simples e tão complexas. Falta tão pouco, mas sempre parece que falta alguma coisa. Mas esse perfeccionismo e questionamentos constantes não podem impedir que a pintura seja terminada, ou nada disso terá propósito.

Nossa obra-prima

Essa cores simplesmente estão ao nosso redor, em cada um de nós. A grande diferença é que, quando olhamos juntos essa pintura e essas cores, teremos aquela pessoa que se regozija com a força e magnitude das montanhas, e outro que se anima com a luz enérgica do nascer no sol, o outro se emociona com a moldura azul profunda do céu, e o último fica todo feliz com os detalhes de um única folha pintada que parece balançar na linha perfeita de um tronco.

E a maior beleza dessa tela, é quando todas essas cores se equilibram, entendem suas função, seu papel e trabalham com um único objetivo. Criar uma obra-prima.

Essa é beleza do DISC, quando descobrimos nossas cores, nossa técnica, nosso estilo, quando descobrimos como damos nossas pinceladas na vida, é quando conseguimos fazer parte das grandes pinturas.

Conhecer seu perfil DISC, é mergulhar em uma nova visão pessoal e profissional, é abrir uma porta para diversas possibilidades de evolução, crescimento, aprendizado e aumento de resultados.

Esse é o propósito que eu encontro no DISC, aflorar todo esse auto conhecimento, transformar nossas vidas, carreiras, empresas em grandes obras de arte.

Se você quiser conhecer mais sobre o DISC, descobrir quais são as suas cores, pinceladas, seu estilo e perfil, não deixe de me seguir e venha fazer parte da minha rede. E se quiser visite http://gboz.com/links para nos conectarmos ainda mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *